SOLANEA PB

SOLANEA PB

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

ANTIGAMENTE ERA ASSIM: O primeiro Trio Elétrico saiu as Ruas em 1950 num Ford 29


Tudo começou com um calhambeque, um velho Ford T 1929, equipado com dois alto-falantes, como vemos na foto acima. Seus donos eram Osmar Macedo e Adolfo do Nascimento (Trio elétrico por nome Dodô e Osmar). Uma semana antes do Carnaval de 1950, Dodô (apelido de Adolfo) e Osmar, saíram pelas ruas de Salvador na Bahia, tocando os frevos de Pernambuco no último volume. A galera da rua aprovou e foi dançando atrás. Nascia o primeiro trio elétrico. No ano seguinte, o calhambeque foi substituído por uma caminhonete e, em 1952, uma fábrica de refrigerantes ofereceu-lhes um caminhão. Nas décadas seguintes, outros trios foram surgindo, e hoje dispõem de instrumentos modernos e caminhões de alta potência, que tocam do reggae à música clássica e animam muitos outros eventos, além do Carnaval. "Atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu." Mas cuidado com os ouvidos! A intensidade sonora dos trios elétricos chega a uma média de 108 decibéis. O som altíssimo dos trios pode ser escutado a 1 quilômetro. Só não prejudica a audição se for ouvido por, no máximo, de 15 a 20 minutos. A prefeitura de Salvador limitou o nível de ruído a 115 decibéis, embora os trios tenham potência para atingir 150. Se ele fosse usado no volume máximo, arrebentaria os tímpanos e os vidros num raio de 100 metros. E se você quer ficar com o corpo em forma, aproveite. “Uma hora pulando atrás de um trio elétrico consome cerca de 600 calorias.”

Guia dos curiosos – Blog do Braga Neto

Nenhum comentário:

Postar um comentário