braganeto1965@hotmail.com

braganeto1965@hotmail.com

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

PÉS GRANDES, CORAÇÃO ENORME


Existia, há algum tempo, uma sorveteria famosa, sempre lotada nos dias de calor.
Sorvete delicioso. Sabores variados. Clientela bem atendida.
Homens, mulheres, crianças, todos faziam fila e aguardavam pacientemente a sua vez. Tudo por um sorvete gostoso. Refrescante.
A menina sozinha, com o dinheiro na mão, também entrou na fila.
Esperou, sem reclamar, mesmo quando uns garotos passaram à sua frente, sem cerimônia e sem polidez.
Quando chegou ao caixa, antes que pudesse falar qualquer coisa, o funcionário lhe ordenou que saísse e lesse o cartaz na porta.
Ela baixou a cabeça, engoliu em seco e saiu. E leu o cartaz, bem grande, na porta de entrada que dizia: "proibido entrar descalço!".
Olhou para os seus pés descalços e sentiu as lágrimas em seus olhos e o gosto do sorvete não comprado se diluindo na boca.
Ia se retirando, cabisbaixa, quando uma mão forte a tocou no ombro. Era um homem alto e muito grande. Para a menininha, ele parecia um gigante.
Foi com ela até o meio-fio, sentou-se e tirou os seus sapatos número 44 e os colocou em frente a ela.
Depois, a suspendeu e enfiou os pés dela nos seus sapatos.
- "Eu fico aqui, esperando", disse ele. "Vá buscar o seu sorvete! Não tenho pressa".
Ela foi deslizando os pés, arrastando os sapatos, até o caixa.
Comprou sua ficha e saiu, vitoriosa, com seu sorvete na mão.
Quando foi devolver os sapatos para aquele homem, ela se deu conta de que se ele tinha pés enormes, muito maior ainda era o seu coração.
"A verdadeira compaixão é sempre boa e benevolente; ela está mais no gesto que no fato." (José Antonio A. Neto)

Nenhum comentário:

Postar um comentário