braganeto1965@hotmail.com

braganeto1965@hotmail.com

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

A QUENTE DO DIA: Brasil terá 3 milhões e 600 mil pobres a mais agora em 2017


No cenário mais otimista projetado pelo Banco Mundial, o PIB teria retração de 3,4% em 2016 e avanço 0,5% em 2017, e o desemprego registraria 11,2% e 11,8% nesses anos. No mais pessimista, a variação do PIB seria de -3,7% (2016) e -1% (2017), e a desocupação de 11,2% e 13,3%, respectivamente.

A última previsão do Boletim Focus para 2016, publicada em janeiro indicava retração de 3,49% em 2016, e a estimativa mais recente para 2017, divulgada nesta segunda-feira, indica alta de 0,49%. O Focus reúne as apostas de economistas de mercado consultados pelo Banco Central do Brasil. O nível de desemprego atingiu 12% em janeiro, segundo o dado mais recente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
De acordo com o Banco Mundial, o total de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza deve variar entre 19,8 milhões e 20,9 milhões ao final de 2017. Destes, a quantidade de pessoas vivendo na extrema pobreza (com menos de 1,90 dólar, ou 5,91 reais, por dia), seria de 8,5 milhões a 9,4 milhões.
Em média, o chefe de família do grupo chamado de "novos pobres" tem 37,9 anos, e a maioria é branco (33,5%) e tem pelo menos o ensino médio completo (38,2%) e mora em área urbana (cerca de 90%). Esse perfil é diferente daqueles que já eram considerados pobres em 2015, com média de 41 anos, menos escolaridade (apenas 17,5% com pelo menos o ensino médio) e cuja participação de moradores da área rural era maior (36%).
Por causa da diferença desses dois perfis, o estudo do Banco Mundial indica que o aumento dos repasses ao programa Bolsa Família faria com que a taxa de pobreza fique mais próxima a níveis de 2015 (3,4% da população). O Orçamento Federal prevê gastos de 29,77 bilhões em 2017 e, se mantido o patamar, faria a taxa avançar para entre 4,2% e 4,6% da população. Se o governo aumentar o valor total para 30,4 bilhões de reais a 31 bilhões de reais, a quantidade de pessoas abaixo da linha da pobreza ficaria entre 3,5% e 3,6%, estima a instituição.

(Veja.com-Blog do Dércio)

Nenhum comentário:

Postar um comentário